TUTORIAL SOBRE SEGURANÇA EM VIAGENS
clique no botão EXPAND para ver em tela cheia

POR QUE ESTÁ CADA VEZ MAIS DIFÍCIL VIAJAR COM MILHAS?


A alta histórica do querosene de aviação, aliada a fatores como a crise econômica europeia, têm motivado uma série de ajustes, corte de gastos e tentativas de aumentar as receitas. Em meio em tantas mudanças, os programas de fidelidade têm sido fortemente afetados e não é algo específico de uma empresa. Tanto Smiles quanto TAM Fidelidade promoveram mudanças que impactaram negativamente os seus clientes.


Também os bancos e empresas de cartões de crédito, que são grandes parceiras dos programas de fidelidade, fizeram mudanças desfavoráveis aos clientes. No caso destes, a pressão pela baixa nas taxas de juros e as limitações na quantidade e valor das tarifas reduziram consideravelmente a generosa margem de lucro das instituições, que para manter seus indicadores no azul e agradar os acionistas estão buscando cortar gastos onde for possível. Há quem afirme também que as companhias aéreas estão pressionando as administradoras de cartão para dificultar as transferências de pontos.

A somatória destes fatores tem produzido uma série de notícias ruins para quem busca conseguir passagens aéreas pelos programas de fidelidade. Os exemplos estão por toda parte e é difícil apontar algum programa que não tenha alterado as regras nos últimos tempos.

O banco Itaú, e sua operadora Itaucard, vem fazendo uma série de mudanças desde meados do ano passado, nunca em favor dos clientes: fechou as salas vip, aumentou a taxa para pagamento de contas e por fim aumentou o limite de transferência mínima de milhas para  20 mil no seu programa Sempre Presente.
O Banco do Brasil também aumentou o limite para 10 mil milhas no programa “Ponto Pra Você”, reduziu a pontuação por pagamento de contas e criou um limite de transferência de pontos entre os clientes, dificultando acumular a quantia necessária para as trocas. E poderíamos seguir citando banco a banco com diversas mudanças prejudiciais.

No entanto, as “malvadezas” não se restringem às instituições financeiras. Essa semana a GOL substituiu o número 4004 de atendimento do Smiles por um 0300 que é pago por minuto. As promoções de upgrade de categoria no Smiles que eram comuns até o ano passado sumiram e mesmo as promoções, com passagens por mil ou dois mil pontos, não ocorreram nesse ano –  o mínimo foi 3 mil.

Já o TAM Fidelidade tem sido uma causa constante de insatisfação pela dificuldade generalizada de emitir passagens desde que implantaram o novo sistema para verificação, incluindo a necessidade de enviar cópias de documentos para alterar seu cadastro – isso em pleno século XXI. Há quem garanta ainda que partiu da TAM o pedido para as mudanças no programa KM de Vantagem, dos postos Ipiranga –  de longe o caso que mais prejudicou e enfureceu os leitores nos últimos tempos.

De uma forma geral todos os programas estão piorando as condições a cada dia porque no passado eles haviam afrouxado demasiadamente as suas regras e é natural que eles agora as tornem um pouco mais rígidas, em especial em face dos motivos elencados no início.